Arquivos de Categoria: Poesia

A água vem de mansinho,

gelada, rola pelas pedras,

toca meus pés provocando arrepio.

O verde imenso que cerca tudo isso,

emociona, toca fundo a minha alma.

Em primeiro plano

a flor divina, em  verde evidente,

deixando vazar o vermelho que aquece,

transbordando o divino.

transbordando Deus a todo

instante…

feliz instante de paz e silêncio.

C@rlos ros@

Bela natureza da serrinha

Sempre Neruda

Vacilei pelas ruas e as coisas: 
Nada contava nem tinha nome:
O mundo era do ar que esperava. 
E conheci salões cinzentos,
Túneis habitados pela lua,
Hangares cruéis que se despediam,
Perguntas que insistiam na areia.
Tudo estava vazio, morto e mudo,
Caído, abandonado e decaído,
Tudo era inalienavelmente alheio,
Tudo era dos outros e de ninguém,
Até que tua beleza e tua pobreza
De dádivas encheram o outono.
 
 
Pablo Neruda

Dia do Trabalhador? Dia do Trabalho?

E o meu. . .

Salário

Ó que lance extraordinário:
aumentou o meu salário
e o custo de vida, vário,
muito acima do ordinário,
por milagre monetário
deu um salto planetário.
Não entendo o noticiário.
Sou um simples operário,
escravo de ponto e horário,
sou caxias voluntário
de rendimento precário,
nível de vida sumário,
para não dizer primário,
e cerzido vestuário.
Não sou nada perdulário,
muito menos salafrário,
é limpo meu prontuário,
jamais avancei no Erário,
não festejo aniversário
e em meu sufoco diário
de emudecido canário,
navegante solitário,
sob o peso tributário,
me falta vocabulário
para um triste comentário.
Mas que lance extraordinário:
com o aumento de salário,
aumentou o meu calvário!

Carlos Drummond de Andrade

Energia Vital…

A energia vital que me move,

flui de forma contínua e leve.

A energia vital que me transforma,

segue sempre veloz pelo meu corpo.

A energia vital que me enlouquece,

faz meu corpo vibrar de prazer…


CAUROSA

Tempo, vida, amor

Soneto dos 20 anos

Que o tempo passe, vendo-me ficar
no lugar em que estou, sentindo a vida
nascer em mim, sempre desconhecida
de mim, que a procurei sem a encontrar.

Passem rios, estrelas, que o passar
é ficar sempre, mesmo se é esquecida
a dor de ao vento vê-los na descida
para a morte sem fim que os quer tragar.

Que eu mesmo, sendo humano, também passe
mas que não morra nunca este momento
em que eu me fiz de amor e de ventura.

Fez-me a vida talvez para que amasse
e eu a fiz, entre o sonho e o pensamento,
trazendo a aurora para a noite escura.

Lêdo Ivo

caurosa

Desta vez me deixa ser feliz.

Nada aconteceu a ninguém,

não estou em parte alguma,

simplesmente sucede

que sou feliz

pelos quatro costados

do coração, andando,

dormindo ou escrevendo.

O que possso fazer,

sou feliz.

Pablo Neruda

CAUROSA

NA NOITE QUENTE DE VERÃO

Na noite quente de verão,
abaladora noite triste…
sofre meu coração.
Que motivos terei?
Será o nosso amor
que me causa tanta solidão?

Oh, mulher amada!
Por que eu vivo
esta dura provação?
Já não basta seres dona
do meu pobre coração?

Na noite quente de verão,
só me resta, não pensar em ti.
E consolar-me com as estrelas,
e o sonho que virá, para talvez,
encontrar-te e aplacar a minha
amarga e triste solidão.

 

CAUROSA

Sombra, corpo e alma

images.jpegceci

SOMOS TRÊS


Somos três:

sombra, corpo, alma.

Cada um a seu modo vivendo

juntos os três andando.


Corpo vendo a sombra

corpo sonhando a alma.

Corpo sofrendo com pena

da alma e da sombra,

impalpáveis

num mundo virtual.


Corpo querendo ser corpo,

e logo alma apenas.

Corpo, vulto, mistério,

fantasma adestrado

em artes de se julgar vivo,

no entanto mais efêmero,

talvez.


Corpo, no entanto, pensando-se.

Transferindo-se em alma,

em sombra.


Corpo sozinho entre enigmas.

Vastas areias do tempo

aladas.

Sobre o corpo e a sombra.


E alma também contempla.

1961 – Cecícila Meireles

Sombra, corpo e alma… às vezes sou eu.

images.jpegros

CAUROSAimages.jpegdsfgs

Considerações do Tempo


images

Considerações de Aninha

Melhor do que a criatura,
fez o criador a criação.
A criatura é limitada.
O tempo, o espaço,
normas e costumes.
Erros e acertos.
A criação é ilimitada.
Excede o tempo e o meio.
Projeta-se no Cosmos

coracoralinaCora Coralina

CAUROSAcora image

NEGRA

imagesddffds

A negra para tudo
a negra para todos
a negra para capinar plantar
regar
colher carregar empilhar no paiol
ensacar
lavar passar remendar costurar cozinhar
rachar lenha
limpar a bunda dos nhozinhos
trepar.

A negra para tudo
nada que não seja tudo tudo tudo
até o minuto de
(único trabalho para seu proveito exclusivo)
morrer.

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE

Uma NEGRA assim, foi a minha avó.

caurosaimagesfffff