Arquivos de Tag: Professor

Professor, uma classe em extinção?

images.jpegSSSA55

Quem são os verdadeiros culpados pela péssima educação em nosso país?

Somente o professor é o grande culpado?

j1b5azzs

A Evolução do Ensino da Aritmética

Antigamente se ensinava e cobrava tabuada, caligrafia, redação, datilografia…
H
avia aulas de Educação Física, Moral e Cívica, Práticas Agrícolas, Práticas Industriais e cantava-se o Hino Nacional, hasteando a Bandeira Nacional antes de iniciar as aulas..

Leiam relato de uma Professora de Matemática:


Semana passada comprei um produto que custou R$15,80. Dei à balconista R$ 20,00 e peguei na minha bolsa 80 centavos, para evitar receber ainda mais moedas. A balconista pegou o dinheiro e ficou  olhando para a máquina registradora, aparentemente sem saber o que fazer.

Tentei explicar que ela tinha que me dar 5,00 reais de troco, mas ela não se
convenceu e chamou o gerente para ajudá-la. Ficou com lágrimas nos olhos  enquanto o gerente tentava explicar e ela aparentemente continuava sem  entender. Por que estou contando isso?

Porque me dei conta da evolução do  ensino de matemática desde 1950, que
foi assim:


1. Ensino de  matemática em 1950:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$  100,00. O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda. Qual é o lucro?


2. Ensino de matemática em 1970:
Um  lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00.O custo de produção é igual a 4/5 do preço de venda ou R$80,00. Qual é o  lucro?


3. Ensino de matemática em 1980:
Um lenhador vende um  carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Qual é o lucro?


4. Ensino de matemática em 1990:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo de produção é R$80,00. Escolha a resposta certa, que indica o  lucro:

( )R$ 20,00 ( )R$40,00 ( )R$60,00  ( )R$80,00 ( )R$100,00


5. Ensino de matemática em  2000:
Um lenhador vende um carro de lenha por R$ 100,00. O custo  de produção é R$80,00. O lucro é de R$ 20,00.

Está  certo?
( )SIM ( )  NÃO


6. Ensino de matemática em 2009:
Um lenhador vende um  carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00.Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
( )R$ 20,00  ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00


7. Em 2010 vai ser assim:
Um lenhador vende um  carro de lenha por R$100,00. O custo de produção é R$ 80,00. Se você souber ler coloque um X no R$ 20,00.
(Se você é afro descendente, especial, indígena ou de qualquer outra minoria social não precisa responder)
( )R$ 20,00  ( )R$40,00 ( )R$60,00 ( )R$80,00 ( )R$100,00

E se um moleque resolve pichar a sala de   aula e a professora faz com que ele pinte a sala novamente, os pais ficam enfurecidos pois a professora provocou traumas na criança.

A verdadeira vítima do processo é o professor.

CAUROSAimages.jpegDDFRRGF

Aos mestres com carinho

Aos meus mestres,

com carinho agradeço

terem me ensinado a ensinar.

Aos meus mestres agradeço:

Pelo sacrifício diário,

pela dedicação exclusiva,

pela paciência  infinita,

pela presença marcante,

pela  pesquisa constante,

pela busca do saber.

Aos mestres, com carinho

agradeço.

CARLOS AUGUSTO ROSA

“Sabe…eu sou aquela criança que senta num cantinho qualquer da aula, de roupinhas velhas, rostinho feio, cabelos sem brilho e quase não fala.

Sabe…eu sou aquela criança que nunca traz uma merenda gostosa pra poder lhe dar um pedacinho, aquela criança que não lhe dá os desenhos bonitos porque só tem lápis preto para colorir.

Sabe..eu sou aquela criança que nunca ganhou um colinho do papai, que nunca ganhou ovinhos de Páscoa, a não ser os que a senhora me dá.

Sabe…eu sou aquela criança que muitas vezes traz o tema mal feito, porque a mesa lá de casa é um caixote de madeira, que sacoleja todo quando a gente escreve, aquela criança que a senhora nem nota, que nunca chega perto porque não tem cheirinho de perfume.

Sou aquela criança que a senhora reclama sempre que não é como as outras, aquela que lhe traz com carinho uma florzinha murcha, que a senhora finge gostar, mas que acaba esquecendo sobre a mesa.

Sou, enfim, professora, aquela criança que gostaria de ser como as outras, mas não é, que gostaria de receber um sorriso, mas não recebe, que gostaria de receber um “parabéns”, que gostaria de lhe dar flores bem lindas para que a senhora se orgulhasse de mim.

Mas, assim mesmo eu lhe peço, aceite-me como sou, gosta de mim como a senhora gosta dos outros, preste atenção em mim, não me vire as costas, acredite em mim. Porque eu queria ser importante para a senhora. Porque eu sou aquela criança feinha e sem graça, que senta num cantinho qualquer da sala e que, se a senhora tiver um tempinho para prestar atenção em mim, verá em meus olhos sem brilho um brilho de esperança, na espera de uma chance para poder lhe dizer:

OLHE PRA MIM,PROFESSORA,PRECISO DE VOCÊ!”


CAUROSA